Terapia comportamental cognitiva focada no trauma: até que ponto chegamos de Freud

Terapia Cognitivo Comportamental

Terapia Cognitivo Comportamental

Como lidamos com o trauma?

Todos nós encontramos trauma de um tipo ou outro, mas geralmente somos adeptos de lidar com nossos mini-traumas.

O verdadeiro desafio é aprender como abordar e curar as experiências verdadeiramente traumáticas da vida: agressão sexual, testemunho de violência extrema, convivência com violência doméstica, experiências de combate, etc.

Nossas idéias sobre o que é trauma, como isso nos afeta e como abordá-lo da maneira mais eficaz já percorreram um longo caminho desde nossa compreensão inicial, e agora há várias opções para tratar traumas e ajudar aqueles que sofrem de traumas a viverem suas melhores vidas.

Entendendo o trauma: a psicanálise de Freud e mais
Conceituações de trauma mudaram um pouco ao longo do tempo, assim como os métodos e abordagens para tratá-lo.

A palavra “trauma” vem do termo grego para penetração ou ferimento, uma indicação de quão sérios os efeitos do trauma podem ser (Valent, 2003). O trauma geralmente não era bem compreendido, ou mesmo seriamente considerado um dano psicológico, até a psicanálise de Freud no final do século XIX.

Freud foi um dos primeiros a mergulhar mais profundamente no trauma, especialmente no trauma sexual experimentado pelas mulheres quando eram jovens. Para Freud, o abuso sexual precoce era muitas vezes a causa dos problemas das mulheres. Em vez de culpar a histeria e outros sintomas de trauma (como ele os viu) por retribuição divina ou perseguição de entidades malignas, Freud popularizou a ideia de que o trauma poderia causar problemas psicológicos duradouros como evitação, repressão e neuroticismo (Valent, 2003).

No entanto, hoje está claro que muitas das teorias de Freud são insuficientes ao revisar as evidências. O trauma nem sempre é sexual e os sintomas freqüentemente não estão relacionados a disfunções sexuais.

Por exemplo, a psicanálise foi aplicada pesadamente durante o rescaldo das Guerras Mundiais I e II, ajudando os veteranos “em estado de choque” que estavam sofrendo do que hoje entendemos como Transtorno de Estresse Pós-Traumático ou TEPT (APsaA, 2018). Muito do que aprendemos sobre trauma e respostas comuns a ele vem do trabalho de psicanalistas e pesquisadores de trauma e psicanálise.

Além da psicanálise, existem outras maneiras mais modernas de entender e tratar o trauma. Terapia comportamental cognitiva (ou TCC) tem feito grandes progressos no tratamento daqueles que sofrem os efeitos do trauma grave, e muitos médicos tiveram grande sucesso com a terapia do trauma positivo também.

Uma abordagem que foi desenvolvida especificamente para jovens que sofrem após uma experiência traumática é a Terapia Comportamental Cognitiva Focada no Trauma. Não tem a longa e ilustre história que a psicanálise possui, mas goza do apoio de vários estudos de eficácia e ensaios clínicos.

Leia para saber mais sobre este tratamento para trauma em crianças e adolescentes.

O que é terapia cognitivo-comportamental focada no trauma?
A Terapia Comportamental Cognitiva Focada no Trauma, ou TF-CBT, é um programa de tratamento baseado em evidências destinado a ajudar as crianças e suas famílias a lidar com as conseqüências de uma experiência traumática (Good Therapy, 2017).

A Terapia Comportamental Cognitiva Geral (TCC) oferece métodos eficazes para tratar desordens relacionadas a trauma e promover a cura, mas a TF-TFC oferece métodos expandidos, incorpora técnicas da terapia familiar e usa uma abordagem extremamente sensível ao trauma. O TF-CBT também é relativamente de curto prazo, com duração não superior a 16 sessões para a maioria dos clientes.

A abordagem de Terapia Comportamental Cognitiva Focada no Trauma é aplicada em um ambiente seguro e estável para encorajar os clientes a compartilharem seus sentimentos e objetivos, para ajudar aqueles que sofreram traumas a aprender como gerenciar emoções difíceis de forma mais saudável. O terapeuta priorizará a construção de habilidades tanto para a criança quanto para os pais e atribuirá o dever de casa para as famílias praticarem essas habilidades (Good Therapy, 2017).

Os 8 componentes da prática do TF-CBT
A Terapia Comportamental Cognitiva Focada no Trauma é administrada em oito componentes que compreendem três fases distintas.

Além desses oito componentes, há outro componente complementar para os pais da criança em terapia. O componente parental consiste em uma sessão somente para pais individual para cada um dos oito componentes PRACTICE. Essas sessões ajudarão os pais a desenvolver suas habilidades parentais e melhorar as interações entre pais e filhos por meio de técnicas como elogios, atenção efetiva e programas de reforço de contingência (Cohen, n.d.). Essas sessões destinam-se a ajudar os pais a relacionar os problemas comportamentais de seus filhos ao trauma que vivenciaram, um passo vital para abordar adequadamente os problemas e promover a cura.

O TF-CBT começa com a fase de estabilização.

Fase Um – Estabilização
Na primeira fase, o terapeuta orientará os clientes através da abordagem da Terapia Comportamental Cognitiva Focada no Trauma, fornecerá psicoeducação sobre trauma e cura, e os ajudará a desenvolver as habilidades necessárias para promover uma cura e um desenvolvimento significativos.

P – Psicopedagogia

A primeira fase começará com um primeiro passo importante – aprender sobre o trauma. Os pais e a criança receberão informações sobre o trauma e as reações comuns a experiências traumáticas. O terapeuta analisará o Transtorno de Estresse Pós-Traumático (TEPT) e os problemas comportamentais comuns com os clientes e garantirá à criança e aos pais que suas reações são normais e compreensíveis e que seus sentimentos são válidos.

Finalmente, este componente é embrulhado encorajando os pais e a criança que há esperança de recuperação. O terapeuta reconhecerá que embora possa ser um longo caminho e muito esforço seja necessário, é possível viver uma vida feliz e saudável novamente.

R – Habilidades de Relaxamento

componentes da Terapia Cognitivo-Comportamental Focada no Trauma

O segundo componente é habilidades de relaxamento. Estas visam ajudar a criança a reverter os efeitos da excitação fisiológica do trauma que sofreram, embora as habilidades de relaxamento também possam ser ensinadas aos pais na sessão de parentalidade.

Habilidades de relaxamento e técnicas que podem ser ensinadas incluem:

Respiração focada
Mindfulness
Relaxamento muscular progressivo
Exercício
Ioga
Músicas
Dança
Soprando bolhas
Leitura
Oração
Outras atividades divertidas / relaxantes

Elas podem ser usadas a qualquer momento, mas as crianças provavelmente as acharão especialmente úteis quando surgem lembretes de trauma (gatilhos que trazem lembranças do trauma).

A – Competências de regulação afetiva

Semelhante ao componente de habilidades de relaxamento, esse componente é incluído para ajudar a criança a aprender algumas estratégias úteis para identificar, modular e regular quaisquer estados afetivos perturbadores que possam surgir, especialmente aqueles resultantes da experiência de trauma.

Existem muitas habilidades e técnicas de regulação que podem ser cobertas neste componente, incluindo:

Solução de problemas
Controle de raiva
Foco presente
Obtendo suporte social
Atividades de distração positivas
Usando habilidades em relação a lembretes de trauma

C – Habilidades de Processamento Cognitivo

O componente final da primeira fase é o componente de habilidades de processamento cognitivo. Como os dois componentes anteriores, a intenção é ajudar a criança a desenvolver as habilidades necessárias para lidar com o estresse e alcançar uma cura significativa do trauma.

Habilidades de processamento cognitivo ajudam a criança a:

Reconheça as conexões entre seus pensamentos, sentimentos e comportamentos.
Substitua seus pensamentos prejudiciais ou inúteis por outros mais precisos ou úteis.

Para identificar quais pensamentos são prejudiciais ou inúteis, a criança pode se fazer duas perguntas sobre um determinado pensamento:

É preciso?
É útil / Isso me faz sentir melhor?

Se a resposta a qualquer pergunta for “Não”, o pensamento provavelmente será sinalizado para possível remoção e substituído por um pensamento mais preciso e / ou mais positivo.

Essas habilidades geralmente são postas à prova durante a próxima fase, quando a criança está construindo sua narrativa de trauma.

Fase Dois – Narrativa do Trauma
T – Narração e Processamento de Trauma

Trauma Narrativa Trauma Focada Terapia Cognitivo Comportamentaltrauma terapia

Nesta fase, o terapeuta irá orientar a criança criando uma narrativa de trauma.

A narrativa do trauma é a narrativa da história da sua experiência traumática. Geralmente são muito difíceis de começar, já que as emoções geradas pelo trauma original podem vir à tona quando o sofredor relembra os detalhes do (s) evento (s), mas ficará mais fácil à medida que o processo avança.

A criança pode achar útil começar enfocando os fatos – o que, o que, quando e onde da experiência. Em seguida, eles podem adicionar os pensamentos e sentimentos que surgiram durante a experiência. Uma vez que estejam à vontade para listar ou descrever seus pensamentos e sentimentos durante a experiência, podem passar para os momentos mais difíceis ou perturbadores de seu trauma. Isso será difícil, mas é necessário reunir uma narrativa abrangente do trauma.

Finalmente, a criança deve pegar o que produziu até agora e resumir tudo e criar uma narrativa perfeita, com a opção de adicionar um parágrafo final sobre como eles se sentem agora, o que aprenderam e se cresceram com a experiência. .

Como a criança está trabalhando em sua narrativa, o terapeuta deve manter os pais atualizados nas sessões individuais dos pais. Uma vez finalizada a narrativa do trauma, a criança pode compartilhar a narrativa completa com seus pais.

Fase Três – Integração / Consolidação
Na fase três, o objetivo é consolidar as lições aprendidas, continuar a desenvolver habilidades e melhorar as conexões, e preparar a família para o sucesso futuro.

I – Mestria in Vivo de Lembretes de Trauma

Lembretes de trauma são estímulos que a criança pode experimentar em sua vida cotidiana, que podem trazer lembranças intensas, dolorosas e debilitantes do trauma sofrido. Também é possível que esses lembretes peguem completamente as lembranças e enviem a criança diretamente para a excitação fisiológica que o pensamento sobre o trauma poderia provocar (fazendo com que a criança hiperventile sem saber exatamente por que, por exemplo).

O componente de domínio in vivo envolve ajudar a criança a superar sua evitação de lembretes generalizados e trabalhar para dominar lembretes mais específicos. O terapeuta desenvolverá uma hierarquia de lembretes e trabalhará com a criança para gradualmente dominar os estímulos temidos, trabalhando dos menos temidos aos mais temidos.

Esse componente pode começar na fase de estabilização, mas levará várias semanas para ser concluído.

C – Sessões Conjuntas de Pais e Filhos

Durante o TF-CBT, as sessões conjuntas entre pais e filhos são as principais oportunidades para o terapeuta ajudar as famílias a se reconectarem e planejarem a cura e o crescimento contínuos.

É nessas sessões que a criança pode compartilhar sua narrativa de trauma com seus pais e trabalhar em conjunto para melhorar sua comunicação sobre o trauma e em geral. Essas sessões também podem ajudar as famílias a abordar a sexualidade saudável e desenvolver um plano de segurança familiar para potenciais ameaças ou crises futuras (coisas como bullying, drogas e violência doméstica).

Uma vez que os pais ea criança estejam se comunicando de uma maneira mais saudável e produtiva, e uma vez que a criança tenha trabalhado na narrativa do trauma e adquirido as habilidades necessárias para lidar com as respostas ao trauma, o terapeuta pode ajudar a família a avançar para o componente final.

E – Melhorando a Segurança

Este componente é todo sobre as habilidades positivas e insights adquiridos através da terapia e aplicá-lo para a vida familiar daqui para frente. É imperativo que as famílias apresentem planos para lidar com os estressores e lembretes de trauma que, sem dúvida, surgirão no futuro.

As famílias podem elaborar planos de segurança para situações específicas e continuar a trabalhar em habilidades valiosas, como solução de problemas, recusa de drogas e habilidades sociais gerais (Cohen, n.d.)

Tratamento de TEPT e experiências traumáticas: treinamento em TCC focado no trauma
Tratar PTSD & Traumatic Experiences Trauma focado cbt

Se a Terapia Cognitivo-Comportamental Focada no Trauma despertou seu interesse, existem alguns ótimos recursos disponíveis para ajudá-lo a aprender mais sobre a implementação desse tipo de terapia em sua própria prática.

O site Terapia Cognitivo-Comportamental Focada no Trauma (https://tfcbt.org) fornece informações sobre como obter a certificação no TF-CBT. Há oito etapas que devem ser seguidas para obter a certificação:

Mestrado ou superior em uma disciplina de saúde mental.
Licenciamento profissional em seu estado de origem.
Conclusão do treinamento TF-CBTWeb.

Participação em um treinamento ao vivo TF-CBT (dois dias) realizado por um desenvolvedor de tratamento ou um instrutor nacional aprovado.
OU
Treinamento ao vivo no contexto de um Aprendizado de Colaboração de Aprendizagem TF-CBT nacional, regional ou estadual aprovado de pelo menos seis meses de duração em que um dos desenvolvedores de tratamento ou um graduado do nosso Programa TFT – Train-the-Trainer TF-CBT foi um dos principais membros do corpo docente.
Participação em uma consulta de acompanhamento ou supervisão duas vezes por mês durante pelo menos seis meses ou uma vez por mês durante pelo menos doze meses. O candidato deve participar em pelo menos nove das doze sessões de consulta ou supervisão. Esta consulta deve ser fornecida por um dos desenvolvedores de tratamento ou por um graduado de nosso programa TTT. A supervisão pode ser fornecida por um dos desenvolvedores do tratamento, um graduado do nosso programa TTT ou um graduado do nosso Programa TF-CBT Train-the-Supervisor (TTS).
OU
Participação activa em, pelo menos, ¾ das chamadas de consulta / cluster necessárias no contexto de uma Aprendizagem Colaborativa TF-CBT aprovada.
Conclusão de três casos separados de tratamento com TF-TFB com três filhos de adolescentes com pelo menos dois dos casos, incluindo a participação ativa de cuidadores ou outro terceiro designado.
Uso de pelo menos um instrumento padronizado para avaliar o progresso do tratamento com TF-TFC com cada um dos casos acima.
Fazer e passar no Teste Baseado no Conhecimento do Programa de Certificação Terapeuta TF-CBT.

Você pode se inscrever para o teste, entrar em contato com a equipe da página da TF-CBT e aprender mais sobre o treinamento neste link.

7 pastas de trabalho e planilhas TF-CBT
Há muitas planilhas diferentes de Terapia Comportamental Cognitiva Focada no Trauma que podem ser úteis para você ou para seus clientes, bem como algumas planilhas abrangentes que orientam o cliente em cada aspecto do tratamento.

Se o seu cliente for uma criança com idade entre seis e catorze anos, este livro de exercícios dos especialistas da TF-CBT Hendricks, Cohen, Mannarino e Deblinger é um ótimo recurso. Ele inclui informações sobre o tratamento com TF-CBT, experiências e respostas de trauma e planilhas, exercícios e outras atividades que podem complementar um plano de tratamento.

Se seu cliente é uma adolescente que sofreu abuso sexual, este livro de exercícios de Lulie Munson e Karen Riskin pode ser perfeito para ela. Este auto-ajuda / complemento à terapia é altamente avaliado pelos terapeutas e fornece um excelente guia para as meninas que estão lutando.

Um ótimo recurso para adultos lutando com trauma é o PTSD Workbook de Mary Beth Williams e Soili Poijula. Não é específico para TF-CBT, mas há muita sobreposição entre as técnicas de TF-CBT e discussões sobre causas, sintomas e sugestões de PTSD para a cura. O livro irá guiar o leitor através de intervenções, atividades e exercícios que podem ajudar aqueles que sofrem de trauma não só para lidar, mas prosperar.

Se você estiver mais interessado em atividades e exercícios únicos do que em pastas de trabalho abrangentes, há muitas planilhas e folhetos que podem ser úteis para você. Algumas das planilhas mais populares e envolventes são descritas abaixo.

O que é trauma?
Este folheto é um ótimo primeiro passo para ajudar você ou seu cliente a entender o que é o trauma, como isso acontece e como isso pode afetar seu humor, pensamentos e sentimentos.

Na parte superior do folheto há uma definição rápida de trauma:

“Uma poderosa resposta emocional a um evento angustiante, como a guerra, um acidente, a perda inesperada de um ente querido ou abuso. O trauma pode continuar causando sintomas emocionais e físicos por muitos anos após o término do evento. ”

Alguns dos maiores fatores de risco para trauma são listados a seguir, incluindo:

A experiência traumática foi inesperada.
O trauma ocorreu durante a infância.
A vítima passou por traumas passados.
Sentimento de desamparo durante a experiência.
A experiência aconteceu repetidamente, ou durante um período prolongado de tempo.
A vítima está lidando com outros estressores importantes, sem relação com o trauma.

O material também inclui alguns dos sintomas mais comuns de trauma, embora também assegure ao leitor que toda experiência com trauma é única. Sofredores de trauma freqüentemente experimentam:

Evitar lembretes de trauma, incluindo memórias
Respostas de sobressalto exageradas
Irritabilidade, raiva e outras emoções negativas
Flashbacks para o evento traumático
Sonhos angustiantes e outros problemas do sono
Auto-culpa em relação ao evento traumático

Finalmente, o folheto descreve alguns dos métodos de tratamento mais eficazes para aqueles que sofrem com o trauma:

Terapia Comportamental Cognitiva: um tratamento comum e bem apoiado para os distúrbios do trauma.
Terapia de Exposição: uma terapia em que o paciente é exposto a lembranças de seu trauma de forma gradual e segura.
Medicação: pode ser usado para tratar muitos sintomas de trauma, incluindo ansiedade, depressão e insônia.
Outros tratamentos: Terapia de exposição narrativa, dessensibilização e reprocessamento do movimento dos olhos (EMDR) e terapia de grupo têm sido encontrados para ser eficaz no tratamento de trauma também.

Para visualizar essas informações por conta própria ou imprimi-las para seus clientes, clique aqui.

Erros de Pensamento
Este folheto lista alguns dos maiores “erros de pensamento” que cometemos, também conhecidos como distorções cognitivas. Há muitas distorções em nosso pensamento que podem se aproximar de nós (veja nossa peça sobre essas distorções aqui), mas essas nove são as mais comuns:

Pensamento preto e branco: você tende a pensar em coisas extremas – ou você é perfeito ou você é um fracasso total.
“Sim, mas” Pensando: Você tende a ignorar os pontos positivos da sua vida e se concentrar apenas nos aspectos negativos.
Leitura da Mente: Você age como se fosse capaz de dizer o que as outras pessoas estão pensando sem verificar com elas primeiro.
Dizendo o futuro: Você age como se pudesse prever o futuro e saber que algo acabará mal.
Raciocínio Emocional: Você decide como as coisas “realmente” são baseadas em como você se sente.
Etiquetagem: você anexa rótulos negativos a si mesmo e chama a si mesmo de nomes.
Deve Declarações: Você tenta se motivar pensando “eu deveria fazer isso” e “eu não deveria fazer isso”.
Overgeneralizing: Você faz uma conclusão sobre algo com base em uma ou duas coisas.
Catastrofização: Você exagera a probabilidade de que algo de ruim vai acontecer, ou você exagera o quão ruim seria se realmente acontecesse.

Registro de Pensamento da CBT
Esta planilha é uma excelente ferramenta para identificar distorções cognitivas. Nossos pensamentos negativos e automáticos estão frequentemente relacionados a uma distorção que podemos ou não perceber que temos. A conclusão deste exercício pode ajudá-lo a descobrir onde você está fazendo suposições imprecisas ou a conclusões falsas.

A planilha abre espaço para descrever a situação em que o pensamento automático negativo surgiu. As instruções são para identificar onde você estava e o que estava fazendo, bem como qualquer outra informação contextual pertinente.

Em seguida, você é instruído a avaliar a força da emoção ou sensação que a situação provocou em uma escala de 0% (mais fraca) a 100% (mais forte).

O terceiro componente da planilha direciona você a escrever o pensamento automático negativo, incluindo quaisquer imagens ou sentimentos que acompanham o pensamento.

Depois de identificar o pensamento, a planilha instrui você a anotar as evidências, tanto para a precisão do pensamento quanto para a precisão do pensamento. Este é um mecanismo clássico usado em muitas situações e pode ajudá-lo a tomar uma decisão informada sobre a exatidão de seus pensamentos.

Em seguida, você tem a oportunidade de criar um pensamento alternativo que possa substituir o pensamento negativo automático. Usando as evidências a favor e contra o pensamento inicial, você pode pensar em algo mais preciso.

Finalmente, você é instruído a avaliar a força da emoção ou sentimento mais uma vez. A esperança é que a intensidade do sentimento tenha diminuído devido à avaliação baseada em evidências de sua precisão.

Esta planilha estará disponível para download em breve.

Superando Evitar: Enfrentando Seus Medos
superando o trauma evitado focado cbt

Superar a tendência a evitar situações, pessoas, lugares e até mesmo pensamentos que lembrem o cliente do trauma é um passo muito importante na superação do trauma e do crescimento da experiência.

Esta planilha de Carol Vivyan pode ajudar o cliente a identificar suas tendências evitativas e elaborar um plano para reduzir seu comportamento de evitação.

Primeiro, a planilha inclui espaço para o cliente anotar tudo o que ele ou ela teme e evita ativamente, incluindo situações; pessoas; locais; fontes de tv, rádio ou internet; e pensamentos, juntamente com uma classificação de perigo em uma escala de 0 (menos temido ou angustiante) a 10 (mais temido ou angustiante).

Em seguida, o cliente é instruído a reescrever a lista, só que desta vez incluindo o item mais temido ou angustiante no topo da lista e o item menos temido ou angustiante na parte inferior da lista.

Depois que a lista é organizada, a planilha direciona o cliente a pensar sobre o item menos temido ou angustiante e apresenta ideias de como começar a enfrentá-lo. Pode ajudar a dividir em etapas menores. O cliente deve anotar o que lhe vem à mente, incluindo os pequenos passos que tenha decidido, juntamente com quaisquer estratégias de enfrentamento que possam usar enquanto enfrentam esse medo.

Uma tabela é incluída para o cliente usar nesta etapa, com três colunas:

Situação temida
Passos que preciso dar para enfrentar a situação temida
Estratégias de enfrentamento que posso usar durante a situação temida

Uma vez que o cliente tenha completado com sucesso este passo para sua situação menos temida, o cliente deve continuar em cada item da lista. O processo deve começar com a situação menos temida, depois a segunda situação menos temida, até a situação mais temida.

Para ver esta planilha, clique aqui.

Uma mensagem para levar para casa
Nesta parte, discutimos o que é o trauma, como isso pode nos afetar e como ele pode ser efetivamente abordado, especialmente em jovens.

Espero que você tenha achado esta peça interessante e informativa. Se você está lutando com os efeitos do trauma agora, lembre-se que a maioria das pessoas que sofrem de uma experiência traumática passa a eliminar os sintomas debilitantes e levar uma vida feliz e saudável. Há esperança!

Você já tentou Terapia Cognitivo-Comportamental Focada no Trauma antes, como praticante ou paciente? O que você achou do tratamento? Você acha que estamos no caminho certo quando se trata de tratar trauma? Deixe-nos saber seus pensamentos na seção de comentários abaixo.

Obrigado pela leitura!

  • Print Design Services

  • Content Marketing

  • PPC Advertising